Moradores pedem mais segurança em ato no Bairro Jardim Botânico

161
"Unidos somos mais fortes" dizem moradores em faixa no protesto Foto: Marina Pagno / Rádio Gaúcha
“Unidos somos mais fortes” dizem moradores em faixa no protesto
Foto: Marina Pagno / Rádio Gaúcha

Na 4ª, mulher morreu com tiro na cabeça, na Rua Felizardo Furtado

Cerca de 300 moradores fazem um protesto na tarde deste sábado (28) para pedir mais segurança no bairro Jardim Botânico, em Poro Alegre. A região vem sendo alvo de atos de violência, principalmente nesta semana.

Na noite de sexta (27), quatro homens foram presos após roubar o supermercado Gecepel, da Rua Guilherme Alves. Testemunhas relataram que os assaltantes entraram no estabelecimento e se dividiram.

Dois pediram celulares e carteiras dos clientes enquanto outros dois pegavam os valores dos caixas. Houve troca de tiros entre os criminosos e um tenente da reserva. Na fuga, os assaltantes colidiram em uma árvore e foram presos.

A menos de 700 metros do supermercado, uma mulher de 32 anos foi assassinada, na última quarta-feira (28), na Rua Felizardo Furtado. June Cartier estava passeando com o cachorro de estimação na companhia do namorado, quando foi abordada por dois criminosos. Ela foi atingida por um tiro na cabeça e morreu no local.

“Ela [June] era batalhadora, ela estudava, trabalhava, era uma menina dócil, uma menina meiga. Ela se criou junto com minha filha dentro do condomínio. Ela não merecia o fim que teve. Os ladrões que me desculpem, mas não tirem a vida das pessoas. Elas não merecem isso”, disse Moema Fleck Dubois, de 66 anos, enquanto participava do protesto.

Para tentar se proteger da violência, os moradores criaram um grupo no Whatsapppara se comunicar sobre assaltos e furtos no bairro.

“Começamos a receber relatos de muitos casos, carros roubados e até mesmo furtos em paradas de ônibus, do pessoal que sai para trabalhar durante a noite. E a partir daí nós começamos a abrir mais espaço para as pessoas para tentar controlar essa violência”, explica o comerciário e um dos organizadores do protesto Nilton Souza, de 43 anos.

A manifestação dos moradores percorreu a rua Felizardo Furtado, avenida Salvador França, Ipiranga ,depois seguiu pela rua Guilherme Alves e terminou, novamente, na Felizardo Furtado, com orações e uma salva de palmas.

O que diz a BM

Conforme o Major Luciano Moritz, do 11º Batalhão de Polícia Militar, há movimentação de viaturas da polícia na Rua Felizardo Furtado, além de ter um policial em um ponto fixo na Avenida Salvador França próximo à Rua Itaboraí.

Moritz diz que o caso de latrocínio é isolado no bairro e na área de atuação do batalhão.

“São cinco latrocínios registrados neste ano na área do 11º Batalhão. Um no Higienópolis, um no Bom Jesus, um na Vila Ipiranga, um no Passo D’Areia e este no Jardim Botânico”, afirma.

GAÚCHA