Secretário da Segurança do RS volta a descartar ajuda da Força Nacional

105

17801448Em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira, o secretário de Segurança do Rio Grande do Sul, Wantuir Jacini, descartou o uso da Força Nacional para reforçar o policiamento e o combate ao crime na Capital, após os incêndios de cinco ônibus e um lotação na zona Sul. Sobre a ordem ter saído de dentro dos presídios, Jacini não acredita que a rebelião na Penitenciária Estadual do Jacuí tenha alguma relação com a queima de ônibus em Porto Alegre. Ele informou ainda que o Comando de Policiamento da Capital (CPC) irá planejar ações especiais para a segurança desta madrugada e a manhã de quinta-feira.
O coronel Paulo Moacyr Stocker garante mais três pelotões da Brigada Militar (90 homens) para atuar por tempo indeterminado em Porto Alegre.

O diretor do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM), delegado Marcelo Moreira, diz que queima de ônibus é crime por cópia (de outras cidades e protestos).

Noite violenta na Capital

Um ônibus e uma lotação foram incendiados, no início da noite desta terça-feira, na avenida Oscar Pereira, zona Sul de Porto Alegre. As câmaras da EPTC flagraram grande quantidade de fumaça nos arredores do hospital Divina Providência, por volta das 20h20min. Mais tarde, outros quatro ônibus foram incendiados. Os bombeiros foram acionados, por volta das 22h15min após criminosos atearem fogo em um coletivo na avenida Monte Cristo, perto do cruzamento com a Eduardo Prado, no bairro Cavalhada. Próximo do Hospital da Restinga, outro coletivo foi destruído às 22h40min. Pouco depois, um ataque deixou em chamas outros dois ônibus na rua Ventos do Sul, que fica nos arredores da garagem da Viação Belém Velho.

  • Rádio Guaíba