Com nova interdição do Central, Área Judiciária tem recorde de 28 presos

120
Situação se repetiu três vezes no ano passadoFoto: Omar Freitas / Agencia RBS
Situação se repetiu três vezes no ano passadoFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

Há dois dias está proibida a entrada de novos presos no Presídio Central. Suspeitos ligados aos Bala na Cara precisaram ser levados para outra delegacia por questão de segurança

Por: Eduardo Torres

Depois de enfrentar este problema três vezes no ano passado, o Presídio Central foi novamente interditado pela Justiça para a entrada de novos presos. A medida está em vigor há dois dias. E o resultado é um recorde de detidos nas celas da Área Judiciária, do Palácio da Polícia, no final da manhã desta quarta. Já são 28 detidos no local sem uma perspectiva de quando serão levados à casa prisional.

— Estamos negociando com a Susepe, mas até o momento não recebemos nenhum indicativo de liberação da entrada dos presos — explica o diretor do Departamento Judiciário da Polícia Civil, delegado Antônio Vicente Nunes.

A situação precária obrigou policiais militares de uma equipe do 1º BPM a passarem mais de dez horas empenhados em uma ocorrência. É que eles prenderam Flamaryon Nunes, 38 anos, e apreenderam dois adolescentes de 16 e 17 anos por volta das 2h em uma perseguição iniciada na Vila Cruzeiro, Zona Sul de Porto Alegre.

Integrantes da facção dos Bala na Cara, a suspeita é de que eles estivessem naquela região, em um Corsa, armados com duas pistolas, uma espingarda e usando camisetas da Polícia Civil, com a intenção de atacar os rivais, da quadrilha dos V7. O ataque foi evitado.

Depois da madrugada no Deca, onde os dois adolescentes foram apreendidos, os PMs se dirigiram à Área Judiciária. Em vão.

— Tratava-se de um preso que já é ameaçado por detentos de quadrilhas rivais. Seria uma temeridade mantê-lo no xadrez com as condições que estamos. Os policiais foram orientados a encaminhar o preso à 3ª DPPA — diz o delegado.

Na delegacia da Zona Norte, havia cinco presos até o final da manhã desta quarta.

 ZERO HORA