Moradores do Verdes Vales pedem mais segurança

110

media_reunio_moradores_siteComunidade busca solução para arrombamentos e assaltos de residências

Lajeado – Moradores do Loteamento Verdes Vales se reuniram, na tarde deste sábado (25), com representantes de órgãos de segurança pública do município. Os objetivos do encontro, realizado na sede da Comunidade Nossa Senhora de Lourdes, foram relatar os problemas e buscar soluções em relação a arrombamentos e assaltos de residências.

Crédito da notícia: Camila Pires

O Informativo do Vale

Arrombamento deixou R$ 4 mil de prejuízo na loja de Edione Anschau
Arrombamento deixou R$ 4 mil de prejuízo na loja de Edione Anschau

POÇO DAS ANTAS

Recorrência de crimes preocupa moradores

Furtos aumentam sensação de insegurança

A comerciante Edione Valentine Anschau, 43, atua no ramo de vestuário faz oito anos e nunca havia sido alvo de furto, roubo ou arrombamento. No entanto, durante a noite de sábado, entrou para a lista de vítimas da criminalidade. No domingo de manhã, percebeu que o vidro da loja estava quebrado.

Do local, foram furtadas roupas masculinas, uma câmera digital e dinheiro do caixa. O prejuízo chega a R$ 4 mil. Para Edione, o crescimento da cidade e o fluxo intenso de pessoas desconhecidas têm preocupado. “Antes não acontecia isso.”

Cita ainda a falta de segurança e de emprego e o aumento de usuários de drogas como possíveis causas. “À medida que surgem mais pessoas, muitas não têm trabalho e ficam correndo na rua. A questão drogas está começando à medida que vem mais pessoas de fora.”

Desde a semana passada, a comunidade notou presença de criminosos. Durante a final do municipal de futsal, dois veículos foram arrombados. No fim de semana, uma loja de roupas, academia de musculação, loja de materiais de construção e uma residência sofreu tentativa de furto. Apenas uma loja foi arrombada. Pelas imagens das câmeras de monitoramento e as roupas roubadas, desconfia-se que sejam jovens infratores.

Clóvis Knob, 27, percebe que os moradores estão em alerta e com medo. Durante a noite, poucas pessoas circulam pelas ruas. Apesar do esforço dos policiais da cidade, nota a fragilidade no sistema de segurança. “Não é falta de vontade da Brigada Militar (BM). Eles estão fazendo o possível, mas o Estado deve trazer mais policiais”.

Enquanto o efetivo não é ampliado conforme crescimento populacional, Knob sugere que a comunidade se una em parceria com a BM. A utilização das redes sociais, criação de grupos no Whatsapp e ligações contribuem para a troca de informações. “Cada morador tem que ajudar e alertar sobre movimentações estranhas. Antes todos se conheciam, agora vieram pessoas que não temos contato.”

Embora os fatos tenham assustado, os números da criminalidade na cidade, segundo a Secretaria de Segurança Pública, são baixos.

Pouco efetivo

Na madrugada de ontem, em Bom Retiro do Sul, uma mulher foi rendida por um rapaz de 18 anos no bairro São João. Ela aguardava van da prefeitura às 5h, quando foi surpreendida. O assaltante portava um estilete e fugiu com a bolsa da vítima. A BM fez buscas na região e prendeu o jovem.

Na terça-feira, dois bandidos renderam três pessoas no Faxinal. O crime ocorreu por volta das 18h. Os meliantes conduziam uma motocicleta Titan 150 e uma Biz preta, que constava como roubada no sistema.

A HORA

Sistema de monitoramento está sendo ajustado, mas ainda não funciona
Sistema de monitoramento está sendo ajustado, mas ainda não funciona

Major entende que roubos seriam evitados

Nos últimos dias a empresa responsável pela implantação do sistema de videomonitoramento no município voltou a frequentar as dependências do quartel do 29º Batalhão da Polícia Militar (29BPM). A informação foi confirmada pelo major Edilson Góes, comandante do batalhão, em entrevista concedida na tarde de ontem ao Grupo JM. A corporação, no entanto, não tem o conhecimento da data de início do funcionamento do sistema.

Ontem, mais uma vez, a reportagem tentou o contato com a empresa responsável, mas não obteve êxito. O major Edilson Góes revelou que os funcionários estiveram no local ao final da semana passada e no início dessa. “A empresa está trazendo seus equipamentos e verificando alguns acertos que precisam ser feitos para a conclusão da instalação”, revelou e garantiu: “Não nos passaram a questão de prazos”.

Recentemente algumas ocorrências de roubo na região central do município atormentaram as autoridades. Góes concorda que são casos que poderiam ser evitados se o sistema estivesse em funcionamento. “Não tem como pontuarmos um prejuízo. O que é verdade é que com o sistema funcionando poderíamos observar e monitorar as ocorrências. Se o sistema está em funcionamento e os delinquentes sabem, eu me arrisco até a dizer que as ocorrências nem ocorreriam”, entende.

Segundo o contrato firmado entre prefeitura e empresa responsável, havia um prazo de 90 dias até a conclusão do sistema. O contrato foi assinado no final de fevereiro, o prazo foi vencido e o sistema ainda não tem data para o início.

Jornal da Manhã

FOTOOCaminhada homenageia jovem assassinada e pede mais segurança na zona Sul da Capital

Sara Tótaro foi morta na quinta-feira, quando chegava em casa com a família

Familiares, vizinhos e amigos da jovem Sara Tótaro, morta durante uma tentativa de assalto na última quinta-feira, na zona Sul da Capital, realizaram uma caminhada solidária neste domingo em lembrança à jovem de 22 anos. O evento começou às 17h30min na Praça da rua Panambi, no bairro Cavalhada. Além da homenagem, os presentes também pediram por mais segurança na região.

A família Tótaro foi surpreendida dentro de um Volkswagen Up, em frente ao portão da casa da família. A mãe de Sara foi retirada à força do carro e, depois disso, houve o disparo que atingiu o abdome da universitária, sentada no banco traseiro do veículo, ao lado da irmã. Sara chegou a ser socorrida, mas não resistiu.

Até agora, a Polícia Civil já identificou, através de imagens de câmeras de segurança, o veículo usado por quatro criminosos na tentativa de assalto. Conforme o delegado Luciano Coelho, responsável pelas investigações, foi necessário refazer o trajeto percorrido pela família de Sara no trajeto entre a Ufrgs e a casa para identificar o carro, já que a rua Gaurama, onde ocorreu o crime, não tinha sistema de monitoramento. O Volkswagen Gol utilizado pela quadrilha foi visto seguindo a família já na zona Sul, nas proximidades do bairro Cavalhada.

Fonte:Rádio Guaíba