PMs salvam bebê de dois dias que estava engasgado

175

beb__-446101Menina estava afogada no leite da mãe e foi levada ao hospital pelos brigadianos

Quando a guarnição da Rua Santa Cruz, no bairro Niterói, foi acionada por meio do rádio durante a madrugada desta quinta-feira (23), os tripulantes da viatura sabiam que a ocorrência era de vida ou morte. O primeiro atendimento foi dado por telefone, mas logo os agentes do 15º Batalhão da Polícia Militar prestaram o socorro solicitado.
Em aproximadamente três minutos, de acordo com o relato do soldado Márcio Jardim, os brigadianos estavam no local para atender uma bebê de apenas dois dias que havia se afogado com o leite da mãe. “A mãe estava muito nervosa quando chegamos, com a filhinha no colo. A nenê já estava ficando roxinha. O sargento Osório conseguiu fazer com que ela voltasse a respirar, fazendo sucção no nariz da menina. Quando vimos que ela respirava, imediatamente levamos a menina e a mãe até o hospital”, relata Jardim.
No Hospital Nossa Senhora das Graças, os policiais militares esperaram cerca de 45 minutos até que a situação da bebê fosse normalizada e pudessem levá-la de volta a casa. Mais tarde, os PMs receberam de familiares da menina que ajudaram a salvar uma nota de agradecimentos na rede social Facebook: “Queria fazer um elogio aos brigadianos do 15º BPM da Rua Santa Cruz, Niterói (…). Atendentes do hospital Nossa senhora das Graças contaram que o brigadiano desafogou a criança (…). Não foi pego o nome dos brigadianos devido à emoção que tomou conta de todos (…), foi ato de muito amor e carinho. Obrigado pelo apoio da BM, que ajudou a salvar mais uma vidinha”.
Calma deve ser mantida
Em março, a coluna Pais & Filhos do Diário de Canoas abordou a história da mãe Dariete Gasperin, 36 anos, e do seu marido, Gilberto Alves, 35, que receberam ajuda dos Bombeiros para fazer os primeiros-socorros no Théo, na época com 4 meses. Os movimentos foram a chamada tapotagem (veja como fazer), quando coloca-se o bebê de bruços no seu antebraço, dando leves tapas nas costas.  A família moradora do bairro Igara conta que o menino estava enjoado e eles estavam saindo para ir ao médico. “Quando coloquei o Théo no bebê conforto, ele tossiu, vomitou e ficou vermelho. Vi que estava engasgado”, recorda o pai.
DIÁRIO DE CANOAS
ajuda-1558065