Susepe promete reunião para tratar de efetivo em novo presídio

134

media_reunio_conselhoObra está praticamente concluída, mas faltam servidores para trabalhar no novo prédio

Lajeado – A titular da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), Marli Ane Stock, participará de uma reunião com autoridades e lideranças na próxima terça-feira, na sala do Conselho da Comunidade de Assistência ao Preso, no Fórum da Comarca de Lajeado.

No encontro, a superintendente deverá apresentar uma solução para a falta de servidores para trabalhar no presídio feminino do município. O problema já havia sido discutido no mês passado e foi tema, mais uma vez, da reunião do Conselho, na manhã desta sexta-feira (10).

No final de maio, a Susepe sinalizou a possibilidade de remanejar pelo menos seis agentes para iniciar os trabalhos na nova casa prisional. No entanto, o delegado regional penitenciário, Eugênio Elizeu Ferreira, afirma que para garantir a abertura das portas do presídio com escalas de dois plantões são necessários, no mínimo, dez funcionários.

Conforme o coordenador das obras do presídio, Léo Katz, a estrutura da penitenciária está praticamente pronta para ser entregue ao Estado. A pintura foi concluída e falta a colocação de louças e pequenos acabamentos.

Os triliches para as celas já foram encomendados, porém o restante do mobiliário ainda é uma incógnita. O município, por meio da Secretaria da Saúde (Sesa), teria indicado a disponibilidade de ceder uma cadeira odontológica para o presídio feminino. Diante dos impasses, ainda não há data oficial para inauguração do prédio.

Transferências
Outra pauta da reunião foi a transferência de apenados para a Penitenciária Estadual de Venâncio Aires (Peva). Segundo a promotora de Justiça de Lajeado, Ana Emília Vilanova, a Susepe tem colocado obstáculos para encaminhar presos de Lajeado para a Peva. Enquanto isso, o Tribunal de Justiça (TJ/RS) determinou a transferência de 70 presos de Novo Hamburgo para o presídio de Venâncio Aires.

O Judiciário de Venâncio aceitou a solicitação para enviar outros 19 presos de Lajeado para a Peva, mas a Susepe teria alegado que alguns dos detentos são condenados por crimes sexuais e não há local adequado para abrigá-los na penitenciária.

Trabalho nas ruas para ressocializar presos
A administração do Presídio Estadual de Lajeado faz uma triagem da capacitação dos apenados e interesse em participar de atividades para remissão de pena. Alguns apenados do regime semiaberto já fizeram a limpeza de uma praça pública em Lajeado e fazem a manutenção da área das capelas mortuárias no Bairro Florestal. O serviço não é remunerado, mas vale como remissão da pena.

Na reunião, os voluntários reforçaram a importância da socialização dos presos e apontaram algumas formas de ampliar a iniciativa do trabalho em manutenção dos espaços públicos. Além de mostrar a ação à comunidade, é uma forma de valorizar os presos em ações para o bem comum.

Para o juiz Paulo Meneghetti, titular da Vara de Execuções Criminais (VEC) e da 2ª Vara Criminal da Comarca de Lajeado, é importante começar a articular ações para os detentos terem ocupações produtivas e contato com a sociedade.

Crédito da notícia: Natalia Nissen

O Informativo do Vale