Após polêmica, Susepe compra ração Super Premium para cachorros de presídios

281

cachorro-presidiosA Susepe (Superintendência de Serviços Penitenciários do Rio Grande do Sul) anunciou nesta terça-feira (12) a chegada de mais de quatro mil quilos de ração Super Premium para alimentar os cães que atuam na segurança de presídios no Estado. A ração começará a ser distribuída para os cães nos próximos dias.

São rotweillers, pastores alemães, akitas, entre outras raças, que costumam ficar em áreas entre os muros dos presídios e os prédios das celas.

Segundo denúncias protocoladas por servidores junto ao Ministério Público há cerca de um mês, esses cães estariam passando fome, sem o fornecimento de alimentos por parte do Estado. Conforme os relatos, os animais estariam sendo alimentados com restos de comida dados por presos, rações compradas por servidores e doações da comunidade.

De acordo com a Susepe, a compra desta nova leva de ração premium foi feita através de um processo de licitação. O resultado da concorrência permitiu o fornecimento de ração “Super Premium”, classificado pela Susepe como uma das “melhores em qualidade de ração do marcado canino”.

O alimento vai abastecer 330 cães do sistema prisional. Até o fim do ano, estão programadas seis novas entregas.

De acordo com a médica veterinária, Natalie Soter, que é servidora da Seção de Guarda Prisional, os cães que atuam no sistema prisional apresentam boas condições, diferentemente do que havia sido denunciado por servidores do sistema prisional: “Os cães do sistema prisional estão com escore corporal bom. Agora, começará agendamento para iniciar o processo de vacinação antirrábica importada”, explicou.

Há cerca de um mês, a deputada estadual Regina Becker e o Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado (Amapergs) denunciaram a falta de alimentos para o cães em relatório protocolado junto ao Ministério Público.

Responsáveis por evitar fuga de presos, rotweillers, pastores alemães, akitas, entre outras raças, que costumam ficar em áreas entre os muros dos presídios e os prédios das celas, estariam sendo alimentados com restos de comida dados por presos, rações compradas por servidores e doações da comunidade.

Outras informações

A Susepe informou ainda possuir em seu quadro um especialista em Cinotecnia, o agente penitenciário Silvio Chamorra, de Santa Maria, responsável por treinar os cães da região.

Além disso, na Penitenciária de Santa Maria foi instalada uma fábrica de ração a partir de uma parceria com médico veterinário da Universidade Federal de Santa Maria- UFSM.
Em Pelotas, os apenados estão produzindo casinhas para cães de rua com apoio da comunidade nos materiais de construção. Agora, o projeto também será implementado em São Francisco de Paula a partir de uma parceria com uma ONG. A Susepe tem registro das raças rottweiler, pastor brasileiro, belga de malinóis, fila brasileira e pastor alemão.

GAÚCHA

Justiça proíbe chegada de novos presos na Penitenciária Modulada de Charqueadas no RS
A Penitenciária já está interditada desde Março de 2016.