Menina autista de 5 anos ganha farda da PM e sonha ser comandante no RS

467

G1 acompanhou visita da ‘soldado’ Rafaella ao QG da Brigada Militar.
Família faz campanha para auxiliar no tratamento multidisciplinar da menina.

Igor Grossmann Do G1 RS

O que você queria ser quando crescesse? Médico? Astronauta? Jogador de futebol? O sonho de Rafaella, de cinco anos, é ser policial militar. E mais do que isso. Ela quer ser comandante de um batalhão da Brigada Militar.

O G1 acompanhou a visita da pequena moradora de Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre, ao quartel-general da Brigada Militar na tarde da última sexta-feira (22), no Centro da capital. No local, a menina presenteou o comandante-geral da BM, coronel Alfeu Freitas, com uma cuca de banana. Em troca, recebeu dele uma medalha, a segunda em sua farda infantil (assista no vídeo acima).

Soldado Rafaella Trindade, farda, Brigada Militar, autismo, autista, QG, comandante, coronel Alfeu Freitas (Foto: Igor Grossmann/G1)
Rafaella posa ao lado do coronel Freitas (Foto: Igor Grossmann/G1)

Rafaella Elisa Trindade foi diagnosticada com autismo em 2013, quando tinha 3 anos. O autismo é um distúrbio neurológico que afeta o desenvolvimento de capacidades de comunicação, interação e atenção. É caracterizado por comportamentos repetitivos e obsessivos. A fixação de Rafaella é o amor pela sua farda e pela polícia militar.

A vontade de ser policial é genética. O pai dela era PM. Ele foi morto a tiros dentro de casa em abril de 2014, período em que estava afastado do trabalho por questões de saúde. A farda de Rafaella foi um presente do 15º Batalhão de Polícia Militar (BPM), de Canoas, onde o pai – que não reconheceu a paternidade e nem conheceu a filha – era lotado.

“Quero ser comandante do 15 BPM”, sonha a ‘soldado’ Rafaella. “Quero ser policial porque o meu pai era.”

“Queremos que ela alcance esses sonhos. Será bem especial. A Rafaella é um símbolo da família brigadiana. Da família que fica, que sofre com a morte de um policial militar”, pontua o coronel Freitas, que adiantou que a Brigada Militar irá instituir a data de 8 de agosto como o Dia do Policial Morto em Combate.

Amor pela polícia

Soldado Rafaella Trindade, farda, Brigada Militar, autismo, autista, QG, carteirinha Inter (Foto: Igor Grossmann/G1)
Inter e polícia militar: os dois amores de Rafaella (Foto: Igor Grossmann/G1)

O amor de Rafa, como é chamada, pela Brigada Militar, nasceu há quase um ano, após receber um bilhete na escola para convidar a família para a apresentação do Dia dos Pais.

“Como o pai dela era falecido, ela queria construir um robô de ferro para levar para escola e os colegas acharem que ela tinha pai. Eu disse para ela que não dava. Aí, ela resolveu que ela gostaria de ganhar a farda”, conta a mãe Ana Carolina Trindade.

Fardada, a menina gosta de passear no shopping, ao 15º BPM, ir para a escola, ao mercado e de andar na rua procurando viaturas. “Por ela, ela está sempre com a farda”, diz a mãe.

Rafaella anda sempre com um bloco de anotações. Nele, a pequena registra as infrações que observa. No QG da Brigada Militar, por exemplo, ela multou o comandante Freitas por ele estar ‘sem cobertura’ – denominação policial para o que cobre a cabeça do PM, seja boina, boné ou capacete. Rafa também multa quem fala palavrão. “Ela gosta das coisas certas. O autismo dá isso à ela”, resume a mãe.

Mas o primeiro amor da menina não foi a Brigada Militar, e sim o Internacional. Rafaella é colorada de carteirinha. Literalmente, já que é sócia. “Eu amo o Inter e a polícia”, diz.

Soldado Rafaella Trindade, farda, Brigada Militar, autismo, autista, QG, viatura (Foto: Igor Grossmann/G1)
Rafaella sonha em comandar batalhão da BM e adora viaturas policiais (Foto: Igor Grossmann/G1)

Autismo e tratamento
A batalha da soldado Rafaella é diária. O autismo não tem cura, mas possui tratamento. O da menina, no entanto, não está completo. Ela precisa de acompanhamento de neurologista, fonoaudiólogo, psicopedagogo e psicólogo, além de realizar terapia ocupacional.

Soldado Rafaella Trindade, farda, Brigada Militar, autismo, autista, QG, multa (Foto: Igor Grossmann/G1)
A ‘soldado’ e seu bloquinho, usado para aplicar  multas (Foto: Igor Grossmann/G1)

Devido aos custos, atualmente Rafaella só é tratada por uma psicopedagoga, duas vezes por semana. “É difícil, porque ela tem crises. Ela não tem noção de horários, às vezes ela quer sair de noite. Ela dorme pouco, porque geralmente o autista dorme muito pouco”, diz Ana Carolina sobre a filha.

A mãe, no entanto, ressalta que Rafaella já demonstra avanços, mesmo realizando o tratamento somente com um profissional. “Ela está mais calma, está interagindo na escola e já brinca com outras crianças”, elenca. “Ela tem olho no olho. Ela beija, ela abraça. Ela é uma criança bem ativa. Pelo autismo ser em menina, ele é um pouco mais fraco”, completa.

Ajude a soldado Rafaella
A cuca ofertada pela menina ao coronel Freitas foi feita pela mãe dela. Essa é uma das maneiras encontradas pela família para custear o tratamento da Rafa. Além do bolo doce, Ana Carolina prepara e vende marmitas e saladas de frutas. Ela ainda comercializa produtos de limpeza e roupas.

Soldado Rafaella Trindade, farda, Brigada Militar, autismo, autista, QG (Foto: Igor Grossmann/G1)
Rafa bate continência, orgulhosa da nova medalha (Foto: Igor Grossmann/G1)

Uma rifa também foi criada para auxiliar o custeio do tratamento que, completo, custa R$ 3 mil mensais. Rafaella faz uso de quatro remédios, no valor total de R$ 800. A pensão que teria direito após a morte do pai ela não recebe, já que não foi registrada, apesar de um exame de DNA atestar a paternidade. A questão foi parar na Justiça.

“O juiz mandou expedir certidão de nascimento, mas a família dele recorreu da decisão. Ele não quis conhecer ela e eu aceitei. Pensei em deixar a Rafaella crescer um pouco mais para tentar uma aproximação. Nunca imaginei que ele fosse ser morto a tiros dentro de casa”, reflete a mãe.

Uma página no Facebook reúne informações para quem quiser ajudar a soldado Rafaella, que também teve o acesso ao benefício Lei Orgânica da Assistência Social negado recentemente. O carro e a casa da família, no bairro Estância Velha, em Canoas, também estão à venda.

A farda completa, os coturnos bem lustrados e a cobertura sempre na cabeça a qualificam para buscar o sonho de ser policial militar. A obsessão de ver tudo no seu devido lugar pode torná-la uma comandante. Rafaella, que gosta de ‘brincar de escola’, quer terminar a missão do pai e encontrar a paz.

 

 página no Facebook