ÁUDIO: Secretário de Segurança promete efetivo e novo presídio em Bento

145

Ouça a entrevista com o secretário de Segurança Pública, Wantuir Jacini:

0f7ae6f54297edfdeea35b12bca8c0d2_GO aprimoramento da gestão, a atualização tecnológica na Polícia Civil e a utilização de inteligência artificial pela Brigada Militar, além da convocação de mais 750 policiais, que vão se unir neste mês a outros 220 que já realizam o curso de formação. Estas são as principais iniciativas imediatas anunciadas pelo secretário de Segurança Pública do estado, Wantuir Jacini, na segunda fase do Plano de Segurança Pública apresentado no final de junho.

“O plano de segurança prevê a formação dos efetivos em três fases. O governador já havia autorizado o chamamento de 220 policiais, que já estão cursando. Vamos chamar mais 220 policiais civil e 530 militares”, confirmou Jacini durante o programa Almoçando com o Governador realizado pelo Grupo RSCOM na terça-feira, dia 2, em Porto Alegre.

Esse efetivo será indicado prioritariamente nas 19 cidades onde há registro de aumento de homicídios no primeiro semestre de 2016 na comparação com o mesmo período do ano passado. Entre elas, estão municípios da Serra, como Caxias do Sul e Bento Gonçalves, além da região metropolitana de Porto Alegre.

A nova fase do plano prevê um investimento total de R$ 166,9 milhões até o começo de 2018, e vai permitir retomar o pagamento de horas extras e de diárias, para ampliar a atuação do policiamento ostensivo.

“O governador autorizou a segunda fase do plano indicando a alocação de mais recursos destinados a horas extras e diárias para aumentar as ações de proteção à sociedade, especificamente na questão dos homicídios”, revelou Jacini.

Outra prioridade do plano é a ampliação das vagas prisionais. O secretário revelou que o déficit no estado atualmente é de 7.508 vagas no regime fechado e 3.322 vagas no semiaberto. O projeto de reestruturação prevê a criação de 4.884 vagas no regime fechado e 1.464 para o semiaberto, com a reconstrução de nove pavilhões do Presídio Central, na capital, a construção dos módulos II, III, IV da Penitenciária de Canoas, o novo módulo da Penitenciária de Guaíba e a construção de três novas unidades prisionais, uma delas em Bento Gonçalves.

Para a construção do presídio na Serra, o governo aguarda em agosto a conclusão de um inventário para estimular a troca de parte dos imóveis do estado no município pela construção da nova penitenciária. Jacini afirmou que o projeto básico está pronto.

Portal Leouve

Governador defende mudanças na gestão para sair da crise

Ouça a entrevista com o governador José Ivo Sartori:

O governador do Estado, José Ivo Sartori, defendeu a necessidade de mudanças na gestão pública como forma de superar a crise financeira do Rio Grande do Sul durante o programa Almoçando com o Governador, realizado pelo Grupo RSCOM na terça-feira, dia 2, em Porto Alegre.

Questionado pelos jornalistas Rogério Costa Arantes, editor-chefe do grupo, e Fabiano Brasil, repórter da RádioViva Metropolitana 90.7FM, Sartori enfatizou os esforços do Poder Executivo para melhorar as condições econômicas do estado.

O governador participou durante 30 minutos do programa que teve a duração de uma hora e meia e contou também com a participação dos secretários Wantuir Jacini, da Segurança, João Gabbardo, da Saúde, Luiz Alcoba, da Educação e da secratária Maria Helena Sartori, de Políticas Sociais, além do presidente da Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), Nelson Lídio, que responderam a questões formuladas pelos jornalistas do grupo RSCOM, parceiros comerciais, ouvintes das cinco emissoras que transmitiram o programa (além da Viva Metroplitana, a Viva 94,5FM, a Oi 92,5FM, a Amizade 1070AM e a Amizade 89,1FM) e internautas do Leouve e Olá Serra Gaúcha.

O governador falou sobre as metas do governo estadual e as dificuldades enfrentadas para pagar o funcionalismo e outros compromissos financeiros. Sartori lamentou a necessidade de parcelamento dos salários, mas reforçou que o momento independe do governo. “Todos que integram este governo gostariam que o momento fosse outro, de alegria, mas também optamos por sermos transparentes e verdadeiros em nossa trajetória, e é o que estamos fazendo”, afirmou.

O governador destacou a necessidade de mudar o modelo de gestão pública. “Sei que tenho sido enfadonho, repetindo desde o início que temos um modelo que deve ficar para trás. O velho tem que dar lugar ao novo, do contrário, não conseguiremos resolver o problema”. Ele acrescentou que “a realidade financeira, no momento, não permite pagar os mais de 300 mil servidores como se gostaria”.

Além disso, Sartori ressaltou os esforços para alterar a situação, como o aumento do ICMS, negociação da dívida com a União, Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual, redução de cargos em comissão, do número de secretarias, menos gastos com viagens e outras medidas de contenção de despesas que aumentaram o ativo, proporcionando alívio aos cofres públicos.

Conforme o governador, apesar das dificuldades, o governo está fazendo tudo o que está ao alcance para diminuir o déficit financeiro. Como exemplo, citou o pedido de medida liminar da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), indeferida na semana passada pelo ministro Ricardo Lewandowski durante o recesso do Supremo Tribunal Federal (STF), mas que segue nos próximos dias para análise do relator, ministro Luiz Fux. “Se tudo der certo, teremos uma condição melhor para planejarmos nossas finanças”.

Sartori citou ainda outras ações positivas como os investimentos de 33,7% na educação, um dos mais altos índices das últimas décadas. Também houve a criação do Fundo de Aposentadoria Complementar para melhorar a situação dos servidores. E, por último, novos servidores da segurança e educação foram chamados para ingressarem no serviço público.