GAÚCHA: Força Nacional começa a atuar na próxima terça na Capital

102

Cento e vinte homens chegam a Porto Alegre neste domingo

Cento e vinte agentes da Força Nacional de Segurança estarão reforçando a segurança nas ruas de Porto Alegre a partir da próxima terça-feira (30). Os homens desembarcam na Capital nesse domingo (28).

De acordo com o vice-governador, José Paulo Cairoli, que está chefiando o Gabinete de Crise criado nesta sexta-feira, os agentes irão se juntar ao efetivo que atua na Operação Avante, iniciada em janeiro e que hoje conta com 160 policias na Capital. O grupo vem do Rio de Janeiro, onde atuava na segurança dos Jogos Paraolímpicos, em 30 viaturas.

Inicialmente, o efetivo irá atuar somente em Porto Alegre, mas se houver a necessidade, poderão ser deslocados para outros municípios. No total, serão 150 homens enviados ao Estado, mas ainda não há previsão de quando os outros 30 serão encaminhados.

Na segunda-feira, haverá reunião de integração com as equipes e na terça já será possível dar início ao trabalho. Neste domingo, Cairoli se reúne com o comandante da Força Nacional de Segurança, coronel Alexandre Aragon, para afinar os últimos detalhes.”A programação é atuar em dupla. Um grupo da BM e um da Força Nacional, estaremos sempre trabalhando em conjunto para dar mais visibilidade”, explica.

A intenção do governo estadual, inicialmente, era utilizar o reforço apenas em presídios. Cairoli destaca que a mudança visa aumentar a sensação de segurança à população.”Se ficassem nos presídios ficaria muito mais uma relação interna, assim é uma forma de darmos maior visibilidade e queremos mostrar esse avanço importante que o Governador construiu”, frisa.

O vice-governador afirma que o gabinete da crise deve ser mantido por, no mínimo, 30 dias. Somente após esse período é que um novo secretário para a área deve ser anunciado. A decisão do governo sobre pedir apoio da Força Nacional foi tomada na madrugada de sexta-feira, após exoneração do secretário da Segurança, Wantuir Jacini. A dispensa ocorreu depois de mais um latrocínio em Porto Alegre, de uma mulher que esperava o filho na saída de uma escola na zona norte da cidade.

GAÚCHA