ZERO HORA:Um dia após paralisação, efetivo da BM diminui nas ruas de Porto Alegre

129

No mesmo trajeto percorrido na última quinta-feira, reportagem de Zero Hora avistou cinco policiais e três viaturas a menos

Por: Jaqueline Sordi ZERO HORA

Um dia depois que o efetivo de policiais militares avistados pela reportagem de Zero Hora quase dobrou nas ruas e avenidas de Porto Alegre, devido à estratégia adotada para contornar a paralisação dos servidores da segurança, o número de brigadianos na Capital voltou a cair. Pela terceira vez nesta semana, Zero Hora percorreu, na manhã de sexta-feira, um trajeto de 75 quilômetros que compreende as quatro regiões da Capital para verificar o efetivo de policiais militares. Foram vistos apenas quatro PMs a pé e cinco viaturas.

Na quinta-feira, foram observados um total de nove policiais a pé e oito viaturas. Conforme a Brigada Militar, o comando da corporação colocou em prática, no dia das paralisações, uma estratégia que combinou a concentração de efetivos e viaturas fora dos quartéis, antecipação de horários, pagamento de horas-extras e reuniões para tentar sensibilizar os policiais.

O teste ZH mostrou que, apesar desta estratégia ter aumentado o policiamento na Capital durante a quinta-feira, ele foi insuficiente e temporário. O efetivo observado na sexta foi ainda menor que o do início da semana. Na segunda-feira, a reportagem identificou cinco PMs a pé, dois de moto, dois de bicicleta e cinco viaturas.

Além disso, das 16 vias percorridas nos três dias, havia efetivo em somente oito delas, indicando que os PMs estavam concentrados em determinados locais, como Centro e imediações, deixando grandes áreas sem policiamento.

O comandante-geral da Brigada Militar (BM), coronel Alfeu Freitas Moreira, atribuiu a queda no policiamento à estratégia adotada no dia da paralisação, quando se antecipou escalas e se concentrou o efetivo no turno da manhã — mesmo horário em que Zero Hora percorreu as ruas da cidade.

Avenida Salgado Filho, no Centro de Porto Alegre, não tinha policiamento em nenhum dos testes feitos por Zero HoraFoto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

— Na quinta-feira, em razão da irresponsável divulgação do pânico à comunidade, priorizamos que o cidadão visse, assim que acordasse, que a BM estava na rua e que havia segurança — disse. — O que aconteceu foi somente uma alteração de horário de início das atividades dos pelotões e batalhões de operações especiais.

Conforme o comandante, apesar da constatação de Zero Hora ao circular pela cidade, não houve redução no número de policiamento nesta sexta-feira em relação aos demais dias da semana.

— Os PMs que trabalharam na quinta-feira estão trabalhando hoje e trabalharam ontem (quinta) e anteontem (quarta). A única diferença é que trabalharam em horários diferentes.

Confira, abaixo, o resultado do teste realizado nesta semana:

* Colaborou Débora Ely