Rádio Guaíba: “Força Nacional é ineficaz enquanto não houver vagas em presídios”, adverte presidente da Asdep

114

prisao04Presidente da entidade ressalta que, obrigados a responder pela tutela dos presos, delegados e escrivães passaram a abraçar funções que não são deles

A delegada Nadine Anflor, que preside a Associação dos Delegados de Polícia do Rio Grande do Sul (Asdep), garantiu, na tarde desta quinta-feira, durante entrevista ao programa A Cidade é Sua, que a presença da Força Nacional de Segurança é ineficaz no Rio Grande do Sul enquanto não forem criadas mais vagas no sistema prisional. De acordo com Nadine, a paralisação parcial da categoria se deve, não apenas a mais um parcelamento salarial do Executivo, mas também pelo colapso no sistema penitenciário e nas carceragens das delegacias de Polícia. A presidente ressalta que, obrigados a responder pela tutela dos presos, delegados e escrivães passaram a abraçar funções que não são deles.

Questionada sobre um possível boicote aos desfiles de 7 e 20 de Setembro, Nadine explica: “cada viatura tem R$ 200 de verba por mês para ser gasto em combustível. É muito mais importante usar essa gasolina no combate ao crime.” Além disso, ela colocou que a intenção da categoria, em nenhum momento, é prejudicar a população, mas mostrar que a situação, como está, é insustentável. “Não é possível esperar que o servidor trabalhe do mesmo jeito, esteja motivado, com o salário parcelado. O governo precisa se organizar e fazer um calendário de pagamento”. O sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia (Ugeirm) também orientou os filiados a boicotarem os desfiles.

Os policiais civis gaúchos estão paralisados nesta quinta-feira das 6h às 21h, em protesto pelo novo parcelamento salarial. Além disso, a partir de amanhã, uma operação-padrão deve atender apenas a casos urgentes ou graves. Cumprimentos de mandados de busca, apreensão ou prisão sem urgência também não devem ser cumpridos até que a folha de agosto seja integralizada.

Fonte:Ananda Müller/Rádio Guaíba