GAÚCHA: Burocracia atrasa reforço de PMs da reserva nas escolas estaduais

137

Mais de 200 PMs da reserva irão reforçar policiamento nas escolas estaduais

Parceria foi anunciada em agosto do ano passado e estimativa era de que os policiais estivessem prontos para o trabalho no começo do ano letivo

O secretário estadual da Educação, Luís Antônio Alcoba de Freitas, confirmou ao blog na manhã desta terça-feira que 208 policiais militares da reserva serão chamados este ano para atuar em escolas estaduais localizadas em regiões com maiores índices de criminalidade, principalmente em Porto Alegre. Uma parceria com a Brigada Militar para o retorno à ativa de PMs foi confirmada em agosto do ano passado pelo secretário, após divulgação de uma pesquisa que mostra como a violência afeta o cotidiano escolar no Rio Grande do Sul.

A estimativa era de que os policiais estivessem prontos para o trabalho no começo do ano letivo. No entanto, segundo Alcoba, a burocracia impediu o cumprimento do prazo.

“Houve alguns questionamentos da Controladoria e Auditoria do Estado, a Cage, mas o convênio está em fase final”, disse o secretário, sem definir um novo prazo.

Os policiais que retornarem à ativa receberão uma gratificação de R$ 2,4 mil para o trabalho junto à escolas. Segundo Alcoba, o orçamento aprovado para este ano prevê a atuação de 208 profissionais por meio do termo de cooperação entre a Seduc e a BM. Eles atuarão fardados e armados e farão a segurança do prédio e do entorno das instituições de ensino.

“Vai garantir uma sensação de mais segurança nas escolas e no entorno delas. Será um serviço de segurança mais concatenado com o batalhão, com o serviço de inteligência, evitando crimes na região”.

Terão prioridade escolas com histórico de ataques, como o Colégio Ildo Meneghetti, alvo frequente de criminosos desde o começo deste ano. Também serão privilegiadas instituições situadas em áreas com maiores indicadores de violência.