Moradores de Caxias pedem socorro durante audiência pública de segurança

134

Objetivo da reunião era buscar soluções a médio e curto prazos para violência, mas nenhuma novidade foi apresentada

Por: Kamila Mendes ZERO HORA

Preocupados com o aumento da violência em Caxias do Sul e em busca de alternativas capazes de combater a criminalidade, centenas de pessoas estiveram presentes numa audiência pública realizada na noite desta quinta-feira na Câmara de Vereadores.

O objetivo da reunião era buscar soluções a médio e curto prazos para violência, mas nenhuma novidade foi apresentada à comunidade. Na tribuna, representantes de moradores fizeram apelos para mais investimentos no policiamento comunitário.

— Pedimos socorro. Estamos convivendo diariamente com assaltos e roubos. Estamos perdendo familiares e amigos para a violência. É preciso que, de forma integrada, as polícias ajudem a nossa comunidade. É preciso mais policiais nas ruas, mais policiamento comunitário ativo — disse o advogado Lucas Dihel, presidente do bairro Exposição.

Presente no debate, o representante da Polícia Civil, delegado Marcelo Grolli, apontou a falta de efetivo como a responsável pelo aumento da criminalidade. Ele também afirmou que a presença de uma facção criminosa em Caxias fez o número de homicídios crescer desde o ano passado.

— Trabalhamos com as ferramentas que temos disponíveis. Mas a realidade é está: não há previsão de mais efetivo policial — afirmou Grolli.

O secretário municipal de Segurança Pública e Proteção Social, José Francisco Mallmann, salientou que a operações permanentes, como a realizada na Estação Férrea, são formas de, aos poucos, mudar a segurança pública de Caxias.

— A cidade tem várias áreas sensíveis. Já estamos atuando em locais com problemas históricos e sabemos o que tem dado certo. É desta forma que vamos trabalhar. Não vamos esquecer dos bairros, mas precisamos de calma e boas estratégias — explicou Mallmann.