Diário Popular: CRPO-Sul não sabe quantos PMs hoje na reserva poderão voltar à ativa

151
Policiais militares são vistos durante patrulhamento ostensivo nas ruas de Pelotas, em imagem de arquivo; retorno de PMs para atividades internas que já se aposentaram é uma incógnita, diz comandante do CRPO-Sul

Medida anunciada nesta segunda por Sartori prevê retorno de aposentados para liberar policiais que fazem serviços internos para o patrulhamento ostensivo

Por: Giulliane Viêgas

O retorno de policiais da reserva à ativa no 4º Batalhão de Polícia Militar (BPM) ainda é incerto.

Embora o governo do Estado tenha autorizado nesta segunda-feira (3) o chamamento de servidores já aposentados para atuarem no setor administrativo, videomonitoramento e escolas, o comandante do Comando Regional de Policiamento Ostensivo do Sul (CRPO-Sul), tenente-coronel, Carlos Alberto de Andrade, disse que o caso na região ainda não tem definição. “Não posso afirmar que vão vir porque ainda não foi acertado “, disse o oficial. A volta dos policiais é para que os militares que realizam os serviços internos, sejam enviados às ruas. Os PMs aposentados aptos a voltarem ao serviço receberão, segundo o governo, a quantia de R$ 2,4 mil além da aposentadoria. A previsão é de que retomem a farda em maio.

Na próxima quinta-feira, o tenente-coronel deverá se reunir com o comando-geral da Brigada Militar (BM), em Porto Alegre, para definir se os policiais serão realocados na Zona Sul. O oficial disse ainda que será feito uma análise com o comando da BM e o secretário de Segurança Pública, Cezar Schirmer, para tratar a prioridade do CRPO-Sul em relação aos policiais da reserva e os militares aprovados no concurso da corporação. “Todos batalhões têm demandas. É precoce afirmar qualquer informação”, comentou.

Além de autorizar a chamada de 500 policiais da reserva, o governador José Ivo Sartori (PMDB) anunciou o chamamento imediato de 421 novos servidores para a Brigada Militar, 101 para o Corpo de Bombeiros, 141 para a Polícia Civil e mais 20 para o quadro de saúde da BM. Os profissionais devem começar a atuar em aproximadamente seis meses. “Além de autorizar o chamamento imediato de novos policiais determinei que se faça um estudo, o mais rápido possível, para um novo concurso em todas as áreas da Segurança. O prazo é de no máximo um mês”, disse Sartori à Rádio Piratini ao afirmar que a Segurança Pública é prioridade em seu governo.

Números mínimos
Apesar de o Estado garantir que já ingressaram nas áreas da segurança 1.123 profissionais – 166 da Brigada Militar, 46 do Corpo de Bombeiros, 219 da Polícia Civil e 692 da Susepe – e que ainda este ano devem ingressar outros 1.543 atualmente em fase de formação (1.060 BM; 260 bombeiros; 223 servidores da PC), para quem lida diariamente no combate à criminalidade, os números são mínimos.

Na reserva há pouco mais de três meses, um policial do 4ºBPM que prefere não se identificar, conta que Pelotas – sua área de atuação – precisaria, no mínimo, de mais 150 policiais. Para ele, os números anunciados pelo governador José Ivo Sartori estão longe de ser considerados bons. “Isso o que o governador está fazendo é tapar o sol com a peneira. Não adianta colocar os da reserva, tem é que fazer novos concursos, gente nova”, comentou ao afirmar que não tem vontade de voltar à ativa. “Pra que? Se vou continuar recebendo parcelado?”, finalizou.