DIÁRIO POPULAR: Déficit de efetivo esvazia posto da BM no Cerrito

180

Insegurança

Posto da BM no Cerrito enfrenta dificuldades

Devido ao déficit de policiais local tem ficado vazio e desocupado? policial militar do município atua em Pedro Osório

O posto da Brigada Militar (BM) no Cerrito enfrenta dificuldades por conta do déficit de efetivo. Isso porque o policial do município atua na BM de Pedro Osório para, em caso de chamamento, uma guarnição composta por dois militares possa ir até o local da ocorrência.

Devido à falta de policiais, o posto da BM no Cerrito está vazio e desocupado. Armas e equipamentos utilizados pela BM foram retirados do local para evitar qualquer tipo de ataque. Pedro Osório também encara obstáculos e conta com apenas um PM por escala. Juntos os municípios ­ que se separam por uma ponte ­ possuem pouco mais de 14 mil habitantes, segundo informação populacional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Embora sejam considerados municípios pequenos, em 2016 quatro homicídios, 285 furtos e 22 roubos foram registrados nas duas cidades, conforme indicadores criminais da Secretaria de Segurança Pública (SSP). A incidência de crimes preocupa, inclusive, servidores da categoria que reclamam do descaso do governo. “À noite ocorrem muitos furtos a residências. Com isso, temos que sair e o posto de Pedro Osório também fica sem ninguém. Não tem um servidor para atender outras ocorrências e dar atenção à comunidade”, reclamou um PM.

Apesar das dificuldades, a BM ainda atua 24 horas por dia. Entretanto, não tem realizado patrulhamento ostensivo nas ruas. “Do jeito que tá, não sei até quando vamos suportar essa situação. Tem dias que é um PM para atender as duas cidades”, desabafou o policial.

O comandante do Comando Regional de Policiamento Ostensivo do Sul (CRPO­Sul), tenente coronel Carlos Alberto Andrade, reconhece a falta de efetivo nos municípios. Em março, 15 policiais e um oficial do 4º e do 6º BPMs foram deslocados para a capital para reforço do efetivo no combate à criminalidade em Porto Alegre. No entanto, segundo Andrade, a dificuldade enfrentada pelos postos da BM no interior nada tem a ver com o envio de PMs à capital e sim com a atual situação da corporação que atua com 50% do considerado ideal. “É uma troca. O Comando Geral enviou diversos policiais para a nossa região na Operação Golfinho, não posso negar a cedência de apenas 15 policiais”, comentou Andrade. O retorno dos policiais estava previsto para o próximo mês? a volta, porém, foi adiada para julho.

Em meados de maio, o Comando Geral da Brigada Militar anunciou que a partir de junho nenhum município do Estado contará com menos de três policiais militares. A meta do governo do Estado é iniciar o ano de 2018 com todos os municípios equipados com um efetivo mínimo de cinco PMs.

Promessa

Outra promessa do governo do Estado é de que na segunda quinzena de julho cerca de 1.060 policiais militares estarão nas ruas. Além disso, o governo do Estado já autorizou o retorno de PMs no Corpo Voluntário de Militares Inativos (CVMI) para atuar, prioritariamente, nas patrulhas escolares (com foco no tráfico de drogas) e nas atividades de videomonitoramento.