LANCEIROS NEGROS: Piratini abre inquérito sobre caso

168

Estado determina abertura de inquérito para avaliar operação de reintegração de posse

O secretário Cezar Schirmer determinou ao comando da Brigada Militar a abertura de Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar as circunstâncias, a motivação e os fatos ocorridos durante a desocupação do imóvel do Estado que se encontrava invadido pelo movimento denominado Ocupação Lanceiros Negros.

A solicitação partiu diretamente do governador José Ivo Sartori, que nos últimos dias já havia garantido que o Estado faria uma apuração do assunto. O governador e o secretário da Segurança estiveram reunidos na tarde desta quarta-feira (21).

O processo inicia imediatamente e possui prazo de conclusão de 40 dias, passíveis de prorrogação por mais 20 dias.

Assembleia leva denúncia ao TJRS

Os presidentes do Tribunal de Justiça, Luiz Felipe Difini, e da Assembleia Legislativa, deputado Edegar Pretto (PT), se encontraram ontem em audiência na sede do TJRS para discutir providências e averiguações sobre a ação para desocupação do prédio, na noite de quarta-feira passada, onde estavam as famílias do Movimento Lanceiros Negros. Na ocasião, o deputado Jeferson Fernandes (PT) foi detido, algemado, conduzido e, depois,
liberado pela Brigada Militar. A forma como ocorreu a ação policial tem sido contestada por parlamentares.
Pretto, que formou na terça-feira uma comissão parlamentar para investigar o caso na Assembleia, declarou que “a prisão foi ilegal”. “Viemos expressar a nossa inconformidade com o que ocorreu na semana passada. Na nossa opinião houve quebra de protocolos e normas constitucionais
com a prisão ilegal de um membro do Poder Legislativo” explicou Pretto, que esteve acompanhado pelos deputados Frederico Antunes (PP) e Juvir Costella (PMDB), ambos integrantes da comissão que vai analisar os desdobramentos da desocupação. O presidente do TJRS afirmou que as apurações do Judiciário estão autorizadas e em andamento.

CORREIO DO POVO

.

Nossas entidades estão de olho nesses procedimentos, esperamos não ter a desagradável, e não seria surpresa, dado o histórico desse tipo de atitude,  ver o inquérito concluir que A Brigada Militar, cumprindo ORDEM DO JUDICIÁRIO , a pedido do GOVERNO DO ESTADO, é a grande culpada.