Força Gaúcha vai reforçar cidades do Interior que perdem PMs na Operação Golfinho

579

Operação Golfinho vai ser lançada neste sábado (15), em Capão da CanoaRicardo Duarte / Agencia RBS

Oficializada em decreto assinado nessa quinta-feira (13), Força Gaúcha de Pronta Resposta participou de 80 operações policiais em quatro meses

GAUCHAZH

Força Gaúcha de Pronta Resposta, que atua no Rio Grande do Sul de forma semelhante à Força Nacional, em apoio à Brigada Militar e à Polícia Civil, vai reforçar o patrulhamento e intensificar as ações no Interior do Estado, durante o veraneio. O lançamento oficial da Operação Golfinho será neste sábado (15), na orla do antigo Bar Onda, em Capão da Canoa. Segundo o major Cilon Freitas da Silva, chefe de Comunicação Social da Brigada Militar, o reforço auxilia principalmente as pequenas cidades.

— A força vai auxiliar no plano estratégico da Brigada para melhor atuação no Interior, frente à necessidade do deslocamento de efetivo para o litoral — destaca.

Formada exclusivamente por policiais da reserva e civis aposentados, a Força Gaúcha atua no Estado desde 21 de agosto, de forma experimental. Nos quase quatro meses, ela participou de 80 operações, segundo o comandante Alexandre Aragon:

— Temos as melhores forças policiais do Brasil. São os mais comprometidos. Ontem fomos chamados ao cerco em Nova Petrópolis. Mesmo de folga, todos quiseram ir — afirma o tenente coronel da reserva.

Nesta quinta-feira (13) houve a assinatura do decreto que oficializou a atuação dos profissionais. No ato, no Palácio Piratini, o governador José Ivo Sartori falou sobre a segurança em seu mandato e citou o secretário Cezar Schirmer, que, segundo o governador, era visto com desconfiança quando foi nomeado.

— Hoje, Schirmer, você hoje termina o governo com uma “marca extraordinária” na segurança pública — celebrou Sartori.

O secretário Schirmer voltou a dizer que o medo mudou de lado, com as últimas ações policiais. Ele respondeu sobre o número elevado de assaltantes mortos em confronto.

— O que temos de saudar é que a Brigada Militar tem uma pontaria melhor que a dos bandidos.

Nos primeiros 12 dias de dezembro, 14 assaltantes ou suspeitos morreram, número acima da média mensal, que é de 10 pessoas abatidas pela polícia em confrontos.

Schirmer falou ainda sobre os dois PMs envolvidos com uma quadrilha que assaltou casas na Serra Gaúcha, roubando mais de R$ 500 mil. Ele disse que não saúda o que aconteceu, mas que a morte do brigadiano que estava ao lado dos bandidos “é a prova de que o crime não compensa” e que “tem de retirar as maçãs podres do cesto”.