Micro-ônibus da BM é depredado por presos que aguardam vagas em presídios ( VÍDEO )

Veículo está no Palácio da Polícia, em Porto Alegre, com seis pessoas

Presos que eram mantidos em um micro-ônibus da Brigada Militar, no Palácio da Polícia, em Porto Alegre, depredaram o veículo na manhã deste domingo (19). As janelas e vidros da viatura, que era usada para custodiar presos enquanto não há vagas em presídios, foram quebradas dos dois lados. Além disso, o forro e espumas de bancos foram rasgados.

Esta ação dos presos começou próximo das 6h. A todo momento, os seis presos mantidos no veículo chutam a viatura e reclamam de estarem no ônibus. A Brigada Militar decidiu não intervir. Os presos serão autuados por dano ao patrimônio público.

Aliada a esta ação, os detentos que estavam na carceragem do Palácio da Polícia também se revoltaram e colocaram fogo em objetos.

Com a destruição do veículo, os presos voltarão a aguardar as vagas em viaturas da BM que, consequentemente, deixarão de circular pelas ruas da Capital.

Crise na Segurança

O sistema prisional gaúcho vive o seu pior momento da história. Se não bastasse o Estado do Rio Grande do Sul ser denunciado na Comissão de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) pela superlotação e péssimas condições dos presídios, principalmente o Central, com crimes comandados de dentro das galerias.

GAÚCHA

1 Comentário

  1. Acho que é muito proteger quem não pensa duas vezes em acionar o gatilho e matar pessoas inocentes, e na nossa Policia ninguém pensa salários parcelados, mortos em conflitos com marginais sempre em defesa da sociedade, já que destruirão o patrimônio público eu colocaria fogo com todos dentro, serviria de exemplo.
    Querem mordomias, mas nunca pensam nos seus atos cruéis, bandido bom é bandido morto.
    Ninguém obriga a ser bandido são porque querem, criticam à Policia o Governo, querem o que? Cama box, acho que até que à comida venha do Plaza, mas não pensam no mal que esses marginais fazem à população
    todos nós com medo, gente de bem passando fome e vem direitos humanos proteger.
    Vamos pensar em quem realmente precisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *