Posição da ABAMF com relação a proposta de fim da promoção automática

170
 ABAMF é contra o fim da promoção automática
ABAMF é contra o fim da promoção automática

Se há dúvidas com relação a posição da ABAMF sobre a intenção do governo de acabar com a promoção automática para soldados e sargentos na passagem para a reserva, leia abaixo a entrevista do presidente da ABAMF, Leonel Lucas, ao Jornal Correio do Povo.

reunião entre o governo do Estado e as associações de nível médio da Brigada Militar acabou gerando polêmica. De acordo com o presidente da Associação Beneficente Antônio Mendes Filho (Abamf/BM), Leonel Lucas, uma das propostas apresentada na sexta-feira passada é a de terminar com a promoção automática, quando soldados e sargentos passam para a reserva, o que não foi aceito pelos praças. Segundo Lucas foi feita uma contraproposta ao Executivo.

Representantes da Associação dos Sargentos, subtenente e tenentes da BM participaram do encontro.

Atualmente, quando um soldado passa para a reserva é promovido a 3º sargento, o que significa cerca de R$ 600 a mais no salário.

O 1º sargento é promovido a tenente, o que, de acordo com Lucas, representa mais R$ 1 mil no salário. “Hoje, cerca de 4 mil policiais militares estão na ativa,

graças ao incentivo permanência”, afirmou Lucas. “Se o projeto for em frente, este número irá embora, pois já tem tempo para passar para a reserva.”

De acordo com Lucas, a proposta foi feita na sexta-feira, na Casa Civil, quando o governo se reuniu com representantes das associações de nível médio da Brigada Militar para discutir o reajuste salarial. O presidente da entidade lembrou que foi feita uma contraproposta, onde é pedido o 3º grau para ingresso na BM, a não extinção da promoção automática e que soldados, sargentos e tenente possam ir até o posto de capitão. “Não aceitamos que seja extinta a promoção automática”, enfatizou Leonel Lucas.

“Se não houver uma outra solução, vamos fazer uma assembleia em frente ao Palácio Piratini”, disse o presidente da Abamf.

A Casa Civil afirmou que vai analisar o documento remetido pela entidade. Será analisado ponto a ponto o que foi remetido pelas associação de classe e, ainda esta semana, o governo deve anunciar uma posição.

Fonte: Correio do Povo

Postagem: Paulo Rogério N. da Silva – Jornalista ABAMF