Insegurança pública provoca vaia em Sartori e Schirmer

235

A jornalista Rosane Oliveira, RBS, passou hoje a informação de que o governador Sartori e seu secretário da Segurança, Cezar Schirmer, levaram sonora vaia quando saíram de um restaurante onde jantaram.

Foi ontem, no Paseo, Tristreza.

A insegurança pública tornou-se insuportável no RS.

Como se sabe, Brigada, Polícia Civil e Força Nacional de Segurança sumiram das ruas. É caso de salve-se quem puder.

Os assaltos, sequestros e assassinatos ocorrem a todo momento.

E há casos de chacinas parecidos com os do Exército Islâmico, como foi o assassinato e decapitação de dois jovens, ontem, na Vila Jardim, Porto Alegre.

Já são 15 casos de decapitação, este ano, apenas na região metropolitana.

É guerra sanguinária da mais alta atrocidade.

A Polícia, chamada para falar sobre o caso, alegou que eles “estavam na rua”.

No RS, basta estar na rua para ser sequestrado, assaltado, assassinado e decapitado.

Desaprovação do governo Sartori é igual a 60,5%. Homens, idosos e pobres são os que melhor avaliam o Piratini.

O editor disponibiliza a seguir os números da pesquisa de opinião pública que o Instituto Paraná Pesquisas fez no RS para avaliar a percepção dos eleitores sobre a administração do governo Sartori.

Os dados são exclusivos:

Aprova – 35%
Desaprova – 60,5%
Não sabe ou não opina – 4,5%

Os homens são os que demonstram melhor avaliação. Os números a seguir, em percentagem, representam aprovação, desaprovação e alienação:

Masculino – 39,9/55,7/4,5
Feminino – 30,8/64,7/4,5

O governo Sartori também consegue melhor avaliação entre os gaúchos com mais de 60 anos:

35 a 44 anos (pior avaliação) – 31,5/63,8/4,6
Mais de 60 anos – 40,2/55,6/4,2

Os mais pobres são os que apresentam maior fatia de apoio:

Até R$ 1.446,00 – 36,4/58,1/5,4
Entre R$ 1.446,00 e R$ 2.409,00 – 33,2/62,4/4,3
Mais de R$ 2.410,00 – 34,7/62,3/3,1