Operação Golfinho começa com menos guaritas para salva-vidas no Litoral

188
Operação Golfinho começa com menos guaritas para salva-vidas no Litoral
Foto: Brigada Militar

Em Capão da Canoa, apenas uma guarita está em condições de uso

A Operação Golfinho começou neste sábado (17) com menos guaritas para os salva-vidas no Litoral Norte. Muitas estruturas foram danificadas no final de outubro pela ressaca do mar, provocada pela passagem de um ciclone extratropical pelo Rio Grande do Sul. Em Capão da Canoa, apenas uma guarita está em condições de uso. Outras 32 começarão a ser entregues a partir da próxima terça-feira (20).

O chefe do Estado-Maior do Corpo de Bombeiros, tenente-coronel Luís Marcelo Maya, não soube precisar o número de guaritas danificadas no Litoral Norte, mas garantiu o atendimento dos salva-vidas em todas as praias.

“Nós com certeza sabemos que 32 de Capão só vão começar a ser entregues na terça-feira. Tem uma guarita, que já vai ter os salva-vidas. À medida que o pessoal for instalando as guaritas, nós vamos botando os salva-vidas. Até lá, nós vamos fazendo patrulhas com eles nos locais mais perigosos”.

A Operação Verão Para Todos foi lançada nesta manhã em Capão da Canoa. A mobilização envolve mais de 15 órgãos do Estado e prefeituras dos cerca de 80 municípios no Litoral Norte, Litoral Sul e Costa Doce, que devem receber até 3 milhões de veranistas até o início de março.

A Operação Golfinho, que atua no Litoral Norte, faz parte da ação. O incremento das forças de segurança na região vai até o dia 5 de março. No total, serão 886 salva-vidas militares e um número ainda não confirmado de civis, já que o treinamento deles ainda não foi concluído e alguns ainda podem ser reprovados.

GAÚCHA