Setembro Amarelo marca luta pela vida

276

Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP – em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM – organiza nacionalmente o Setembro Amarelo. O dia 10 de setembro é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Mais do que prevenir a ABAMF– Associação dos Policiais e Bombeiros Militares de Nível Médio do RS – mostra a importância da luta pela vida, pois os Policiais Militares são submetidos, diariamente, a pressões psicológicas e situações de extremo risco.

Os transtornos mentais podem atingir a pessoa exposta ao constante perigo, assim como, o assédio moral, conflitos familiares e problemas financeiros isolamento social, rigidez e introspecção. Por isso, é importante valorizar a vida, a família, amigos, e buscar ajuda quando se encontrar numa situação de medo, insegurança, depressão e inquietude.

De acordo com a 13ª edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, o número de policiais que tiraram a própria vida em 2018, no Brasil, chegou a 104 casos. Conforme o levantamento, superior ao número de policiais que tombaram em confronto durante o serviço – 87 casos.

Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 90% dos casos de suicídio estão associados a distúrbios mentais e, portanto, podem ser evitados com o tratamento certo. É fundamental o serviço de suporte a saúde mental. O Rio Grande do Sul tem quase o dobro do índice de suicídios do Brasil e a Brigada Militar(BM) apresentou o dobro do índice do estado. A maioria envolvendo praças – soldados e sargentos.

A ABAMF tem no atual vice-presidente estadual, Jairo Rosa, um conhecedor dos problemas que atingem os Militares Estaduais gaúchos. Em gestões passadas, foi diretor assistencial da entidade. “Muitas vezes, problemas financeiros e familiares juntam-se a acontecimentos trágicos durante o serviço e isso deixa o militar atordoado. Alguns, encontram na ABAMF o primeiro socorro. Nós tentamos auxiliar e encaminhamos certas situações para setores da corporação que tratam do assunto. Outras vezes, procuramos formas de ajudar para que o militar possa superar aquele momento”.

Entre 2015 e 2018, 17 brigadianos da ativa tiraram a própria vida, conforme dados obtidos pela Lei de Acesso à Informação. Considerando o efetivo da corporação, os brigadianos gaúchos atingiram a média de 30,7 suicídios a cada 100 mil habitantes, ante patamares de 20,9 em Minas Gerais, 20 em São Paulo, 16 na Bahia e 9,1 no Rio de Janeiro.

— Admitir alguma fragilidade, por parte do policial, é difícil. Enquanto a sociedade foge do perigo, o brigadiano vai ao encontro dele. Nosso trabalho é sensibilizar para que o policial procure ajuda e não deixe a doença se estabelecer. Falar ajuda a prevenir — frisa a major Denise. A estrutura da Seção Biopsicossocial da Brigada Militar, apresenta: 4 psicólogos civis, 2 psiquiatras civis, 1 psiquiatra militar, 2 assistentes sociais. A seção tem quatro núcleos: Porto Alegre, Canoas, Novo Hamburgo e Santa Maria. A estrutura de saúde mental do Hospital da Brigada Militar de Porto Alegre, apresenta; Unidade de internação psiquiátrica, com 20 leitos, 3 psiquiatras militares, 4 psiquiatras civis, 5 psicólogos, 2 assistentes sociais, 1 terapeuta ocupacional.

Em julho de 2020, a ABAMF auxiliou a BM a divulgar uma nova proposta de serviço visando métodos preventivos contra transtornos psicológicos. O Programa Anjos- https://www.brigadamilitar.rs.gov.br/programa-anjos-a – quer quebrar o paradigma da habitual transmissão de informações de forma vertical. Através de seminários promovidos pelos médicos psiquiatras do quadro de oficiais especialistas em saúde (QOES) da BM e psicólogos contratados, passaram a ser difundidas informações adequadas de uma maneira direta. O objetivo é capacitar Militares Estaduais voluntários que irão servir como facilitadores junto à tropa, auxiliando na identificação precoce e encaminhamento dos casos de adoecimento mental que necessitam de avaliação especializada.

A luta pela vida é dura e, às vezes, travamos lutas internas. São nas conversas informais no quartel ou dentro da viatura que o colega pode verbalizar alguma situação difícil que esteja passando. Mesmo que não verbalize, algumas mudanças de atitude podem indicar que a pessoa não está bem e precisa de ajuda.
Contatos via Whatsapp da equipe de Saúde Mental da BM
• Marcação de consultas no Centro Clínico da Brigada Militar em Porto Alegre 51 98629-6343
• Contato via Whatsapp com a Seção Biopsicossocial BM – Porto Alegre 51 98443-5232

• Contato via Whatsapp com a Seção Biopsicossocial BM – Santa Maria 55 98414- 0812
https://www.brigadamilitar.rs.gov.br/links-uteis
• CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, e-mail e chat 24 horas todos os dias. Ligue: 188
A VIDA É UMA SÓ. VIVA BEM

Paulo Rogério N da Silva

Jornalista da ABAMF