TCE cobra mais agilidade, equipes e integração com a polícia no SAMU de Porto Alegre

237
Diversas falhas foram verificadas pelo TCE. Foto: Divulgação/PMPA
Diversas falhas foram verificadas pelo TCE.
Foto: Divulgação/PMPA

Mais de 7 mil atendimentos deixaram de ser realizados somente em 2013, segundo inspeção especial do TCE

Após realização de inspeção especial no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), Tribunal de Contas do Estado determinou uma multa de R$165 mil à Prefeitura de Porto Alegre. A penalidade ocorreu por conta de problemas no atendimento às emergências como demora no tempo resposta aos chamados, falha de equipamentos, reduzido número de equipes e excesso de horas extras aos funcionários. Além disso, o SAMU da Capital não possui integração com a Brigada Militar e Corpo de Bombeiros.

O TCE ainda determinou a elaboração de um plano de ação para corrigir os defeitos do serviço de emergência. A decisão foi tomada em sessão plenária na tarde de quarta-feira. De acordo com a equipe técnica do TCE, o tempo médio de atendimento de urgência durante o período analisado, é de 18 minutos e 54 segundos. Já o recomendado pelo Ministério da Saúde é menos de 10 minutos. O relatório também aponta que 7,4mil atendimentos deixaram de ser prestados, somente em 2013, devido à falta de ambulâncias e equipes.

Além das falhas no atendimento, o Executivo ainda está sendo multado por causa do descumprimento de contrato para locação do imóvel destinado à instalação do SAMU na avenida Ipiranga. O valor é referente ao pagamento de aluguel sem a possibilidade de utilização do imóvel.

O prefeito José Fortunati também foi multado em R$ 1 mil, por ter desrespeitado as normas de administração financeira e orçamentária. Cabe recurso à decisão.

A auditoria especial foi realizada entre os anos de 2013 e 2014. A Prefeitura foi procurada pela reportagem, mas ainda não se manifestou sobre a multa. A Secretaria da Saúde ainda não foi oficialmente notificada.

Fonte:Samantha Klein/Rádio Guaíba