ABAMF participa da formatura dos 55 anos do 1º BPChq

111

Aconteceu na manhã de 3 de setembro, no campo do 1º BPChq a formatura alusiva aos 55 anos do batalhão. O evento contou coma a participação do Comandante-geral da BM, coronel Mário Ikeda, do subcomandante, coronel Carlos Alberto Prado de Andrade,membros do alto escalão da Corporação, do presidente TJM, coronel Paulo Roberto Mendes, secretário-adjunto da segurança pública do RS, Marcelo Gomes Frota, além de autoridades civis e militares das três esferas de governo, presidentes de Grêmio, do Internacional e do Instituto Cultural Floresta.

Na formatura foram entregues as comendas “Medalha Mérito de Operações do Choque” e “”Comenda do 1º BPChq”. Um dos agraciados foi o diretor de comunicação e TI da ABAMF, Diogo Guerra, que é integrante do Batalhão de choque. O vice-presidente da associação, Jairo Rosa, esteve presente ao evento.

O comandante do 1º BPChq, coronel Feoli, em discurso, colocou um olhar sobre o passado e o presente do batalhão. Destacou os avanços nos equipamentos, armamentos, viaturas e técnicas de atuação.

Já o comandante-geral da Brigada Militar(BM) mostrou os números do trabalho da Corporação. “Os indicadores de criminalidade estão reduzindo”, afirmou, lembrando que para isso a BM foi apoiada pela sociedade civil organizada. Ressaltou que os números impressionam até mesmo os Policiais Militares. No primeiro semestre de 2019 foram 30 mil prisões em flagrante; recapturados 5 mil foragidos e houve a apreensão de 5,4 mil armas de fogo.

Os enfrentamentos de bandidos a BM também impressionam. Até 28 de agosto foram contabilizados 997 confrontos. Quatro PMs tombaram em serviço e 13 ficaram feridos. 67 criminosos morreram nos tiroteios. A média é de quatro confrontos por dia.

Mas, coronel Ikeda observou que a tropa estava ali,bem armada e com boas viaturas para cumprir o papel de manter a paz e a ordem.

Ao final da formatura ocorreu o desfile dos atuais integrantes do 1ºBPChq e antigos soldados,que hoje estão na Reserva Altiva. Durante o desfile, usaram escudos e o capacete laranja, bastante conhecido, pois é usado no controle de grandes tumultos e na proteção aos árbitros nos campos de futebol.